HISTÓRIA

Dista 9,5 km da sede do concelho e confina com as freguesias do Arco de São Jorge, Ponta Delgada, São Vicente e Curral das Freiras.

Como chegar a Boa ventura

Para chegar à Boa ventura a partir do Funchal, é preciso seguir pela via expresso no sentido Funchal -Ribeira Brava. Chegado à Ribeira Brava, deve seguir a estrada regional 101, ladeada por altas montanhas em direção a São Vicente. O percurso pode ser feito de forma rápida, pelo túnel ou pela estrada regional 101 que deverá tomar à sua esquerda, logo após passar a “Taberna da Poncha” (Encumeada).

Uma vez em São Vicente, assim que se chegar à vila, pode optar por ir pelo túnel na rotunda dos Bombeiros ou quando chegar junto à ponte de São Vicente, vire à direita em direção à Ponta Delgada para chegar à Boa Ventura, já que logo depois da freguesia da Ponta Delgada, encontrará a freguesia de Boa Ventura.

Historial da Freguesia de Boa Ventura 

Dista 9,5 km da sede do concelho e confina com as freguesias do Arco de São Jorge, Ponta Delgada, São Vicente e Curral das Freiras. A freguesia de Boa Ventura é atravessada pela Levada da Achada Grande, Levada Grande, Levada das Faias, da Achada dos Alves e Pastel, e Levada da Achada ou do Serrão. Todas elas com origem na Ribeira dos Moinhos.

Situada em terreno montanhoso, considerada por muitos como autêntico “santuário” da natureza, é caraterizada por surpreendentes vales, rasgados por vários cursos de água. Assenta, por isso, a sua economia na agricultura.Esta freguesia é atravessada pelas ribeiras do Porco e dos Moinhos.

A pouca distância da sua costa, encontram-se dois ilhéus conhecidos por Preto e Vermelho. Fica-lhe defronte o ilhéu Preto, em cuja fenda o mar se espadana, dando origem à formação de um altíssimo jacto. É esta freguesia servida ainda por um pequeno porto, na foz da ribeira do mesmo nome, que nasce na Serra das Torrinhas e desagua no Oceano Atlântico. Boa Ventura deverá ser lugar de assentamento algo recente, mas o facto de se encontrar a meio caminho na ligação à vertente Sul pelo Curral das Freiras, terá propiciado a sua valorização. Pedro Gomes Galdo é considerado um dos mais antigos colonizadores deste lugar, aqui tendo possuído terras de sesmaria e a quem se atribui a fundação da capela de São Cristóvão, sítio que ainda hoje conserva este nome. Os terrenos que constituem a paróquia de Boa Ventura pertenceram, durante quase três séculos, à freguesia de Ponta Delgada, da qual foram desmembrados em 1836. D. João V, por alvará régio de 4 de fevereiro de 1733, autorizou a criação deste curato, ignorando-se a sua provisão definitiva, a sua jurisdição ou atribuições conferidas.

Por alvará de 18 de novembro de 1836, António Alfredo de Santa Catarina Braga, governador do bispado e vigário capitular, eleva o curato a paróquia, desligando-o totalmente da jurisdição da freguesia da Ponta Delgada.

A sede da nova paróquia foi estabelecida na capela de Santa Quitéria, construída no sítio do Serrão, que fora edificada em 1731 e reconstruída em 1835. Existiram nesta freguesia as ermidas de São Cristóvão e de Sant’Ana, e em 1918 procedeu-se à construção de uma capela no sítio da Fajã do Penedo, dedicada ao Coração Imaculado de Maria. De acordo com o “Elucidário Madeirense”, é totalmente desconhecida a origem deste topónimo, sendo necessário, em primeiro lugar, averiguar a verdadeira grafia desta designação, na medida em que este nome aparece escrito de duas formas: Boaventura e Boa Ventura. Presume-se que a primeira forma é a mais antiga e também a mais comum e usual, desconhecendo-se, contudo, que razão estará na base da preferência de qualquer uma delas. No arquivo paroquial desta freguesia, não se encontram referências à origem do nome.

Conjecturou-se que esta denominação teria tido origem num qualquer lugar do território continental e que os primitivos colonizadores tivessem aproveitado o nome. Ainda segundo a obra supracitada, esta hipótese não tem fundamento por em Portugal não existir nenhum lugar, sítio ou freguesia que conserve esse nome. Alberto Artur Sarmento, em “Freguesias da Madeira”, é de opinião que, nos primórdios do povoamento, estas terras terão sido chamadas de Boa ventura, alcunha dada ao seu povoador. Dado como certo, é o facto de existir esta designação desde meados do século XVI, e mesmo antes, isto é, muito antes da criação do curato e de ser paróquia independente. Esta é uma das freguesias mais pitorescas da ilha. O seu casario disperso resulta no isolamento de algumas povoações, como no caso da Falca de Cima e Falca de Baixo. Nestas terras, tiveram assento algumas casas solarengas, como os morgados do Serrão e da Silveira e, mais recentemente, Curado de Vasconcelos e Licio de Lagos.

No sítio de São Cristóvão, existiu uma pequena fábrica de telha, feita de um barro muito denso, que se encontrava nas suas proximidades e que era muito resistente aos danos provocados pela maresia. De grande interesse geológico é o vale da Ribeira do Porco. É esta freguesia servida pela estrada que vem da Ponta Delgada, cavada na rocha. A Boca das Torrinhas limita a Serra da Boa Ventura, partilhada com o Curral das Freiras, e da Boca das Voltas sai um caminho que conduz à povoação desta freguesia

Freguesia de Boa Ventura

Boa Ventura deverá ter sido lugar de assentamento muito mais recente que Ponta  Delgada e São Vicente. O facto do lugar se encontrar a meio caminho na ligação à vertente sul pelo Curral das Freiras terá propiciado a sua valorização. O primeiro sesmeiro terá sido o castelhano Pero Gomes de Galdo que aí fundou a capela de São Cristóvão.Note-se que no concelho, a correspondência entre as atuais freguesias e paróquias só ficou estabelecida em 1836 com a criação da paróquia de Boa Ventura. Este último lugar esteve por muito tempo dependente da de Ponta Delgada e só em 1733, com a criação do curato, procedeu-se à separação, ficando como sede a Capela de Santa Quitéria.Toda a História da localidade até ao século XIX é alicerçada na dependência da paróquia de Ponta Delgada. Somente, em 1872, surge uma nova situação, pois a criação das juntas de paróquia veio a autonomizar o lugar. O facto mais significativo de tudo isto é que Boa Ventura em relação a Ponta Delgada apresentava-se no século XIX como mais populosa e tardou muito tempo em ser reconhecida a sua importância.

A freguesia de Boa Ventura há muito que é conhecida. A melhorias de acessibilidades vieram permitir que deixasse de ser apenas um local de passagem, entre Ponta Delgada e o Arco de São Jorge.

Atividades económicas: Agricultura (semilhas, vimes e cana – de – açúcar), comércio, serviços, indústria (construção civil, hoteleira, extração de inertes, areia, apicultura e vitivinicultura.

Festas e Romarias: Festa de Natal, Santa Quitéria (4.º domingo de maio), Santíssimo Sacramento (3.º domingo de agosto), Imaculado Coração de Maria (2.º domingo de setembro – Fajã do Penedo), Santíssimo Sacramento (3.º domingo de setembro – Fajã do Penedo) e Sagrada Família (3.º domingo de julho – Falca).

Património: Igreja matriz (Santa Quitéria), Igreja do Imaculado Coração de Maria (Fajã do Penedo) e Capela da Sagrada Família (Falca).

Outros Locais: Solar de Boaventura, Solar da Silveira, Praia, Pedra que Mexe no Pico, Paisagens Naturais, Lugar do Pico e miradouros: da Levada da Travessa, do Pico e do Pastel.

Gastronomia: Carne de vinho e alhos, sopa de trigo pisado, milho escaldado batata de pimpinela, pão caseiro, espetada, maçaroca cozida e assada.

Coletividades: Casa do Povo de Boa Ventura, Associação Cultural e Desportiva de Boa Ventura, Grupo de Animação e Grupo de Instrumentos Tradicionais Madeirenses.

Orago: Santa Quitéria.

Climada Freguesia

A Freguesia tem temperaturas moderadas, acerca de 12ºc no inverno e 26ºc no verão.